O mistério do Fusca Branco de Abbey Road

 


Não existe fã dos Beatles que não saiba das inúmeras histórias e lendas que envolvem a capa do álbum Abbey Road.

Se musicalmente Abbey Road revela-se um dos discos mais importantes da história, sua capa também se tornou uma das imagens mais icônicas da história da cultura pop. Com o nome do álbum homenageando a rua e ao estúdio de Londres, o grupo resolveu ser clicado andando sobre a faixa de pedestres, tornando o local um ponto turístico para os beatlemanícos.

Na época da “conspiração” da morte de Paul McCartney, a capa tornou-se a principal “prova” de que o boato era verdade, e o fusquinha uma das peças fundamentais na montagem desse quebra-cabeças.


O fusquinha branco modelo 68 com a placa LMW 28IF, depois dos Beatles é o elemento que mais chama atenção na composição da foto. Segundo a conspiração, LMW significaria: “Linda McCartney Widow” – viúva - Outra interpretação possível seria “Linda McCartney weeps” (“Linda McCartney – com quem Paul havia acabado de se casar – chora”). E o 28IF – que McCartney estaria com 28 anos “se” estivesse vivo.

 

A única verdade nisso tudo é que o fusca tornou-se ainda mais popular em todo o mundo depois de aparecer na capa do último disco dos Beatles.

Depois que Abbey Road foi lançado, a placa do fusquinha foi roubada várias vezes. Muitos afirmam que o carrinho pertencia a um jovem casal sueco que morava bem próximo ao estúdio. No dia da foto – 8 de agosto de 1969 – os assistentes do fotógrafo Ian Macmillan ainda tentaram tirar o fusquinha do cenário, mas seus donos estavam de férias e ele continuou lá, firme e forte!

O inocente Volkswagen entrou assim para a lenda dos Beatles, e foi adquirido em um leilão no ano de 1986 por um colecionador americano por US$ 23 mil, o que era um tanto caro para um fusquinha com então 18 anos. Em 1998, ele foi novamente vendido em leilão, e foi parar no ZeitHaus Museum, situado perto da fábrica da Volkswagen em Wolfsburg.

 

Já Paul McCartney sempre reagiu de forma fleumática às teorias que o dão como morto. Em 1993, ele deu o nome de “Paul is Live” para um de seus álbuns, e apareceu na célebre faixa de pedestres de Abbey Road em companhia de seu cachorro. Na capa, o Fusca branco permanece estacionado no mesmo lugar, mas sua placa mudou: 51 IS, a idade de um músico vivinho da Silva.



Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.