Estudante na Nigéria constrói fusca movido à energia solar e eólica.


O nigeriano Segun Oyeyiola conseguiu fazer algo extraordinário: um Fusca feito de sucata movido à energia solar e eólica, elaborado com menos de 6 mil dólares.Lembra do fusca elétrico x? Utilizando o mesmo conceito, o nigeriano Segun Oyeyiola conseguiu fazer algo extraordinário: um Fusca feito de sucata movido à energia solar e eólica, feito com menos de 6 mil dólares.

O estudante de engenharia da Universidade Obagemi Awolowo, na Nigéria, passou um ano adaptando os materiais doados por amigos e familiares no veículo sustentável. Ele teve esta ideia após se conscientizar mais sobre as emissões de dióxido de carbono, que prejudicam gradualmente o clima, os ecossistemas e a agricultura. Sendo assim, seu projeto pessoal visa mudar o mundo e, quem sabe, salva-lo à longo prazo.

O carro ainda vem com um GPS que ajuda a monitorar seu funcionamento. O projeto é uma ótima solução para o mercado, pois se sustenta com base nos recursos naturais, sendo que a junção de ambas energias, solar e eólica, se complementam. O painel solar fica no topo do Fusca, enquanto a turbina eólica fica sob o capô.

Dr. John Preston, diretor do departamento de Engenharia Física da Universidade de McMaster e orientador acadêmico para a equipe de carro solar da escola, diz que nunca viu nada parecido engenhoca de Oyeyiola, que também vem com um aplicativo de GPS que monitora a saúde do carro. “Se você pudesse encontrar uma maneira de usar tanto a eólica ea solar no mesmo veículo, que seria uma coisa maravilhosa”, disse ele. “Usando a eólica e a solar significa que você não tem que dirigir apenas durante o dia. Se ele figurou uma maneira de fazê-lo, isso seria bastante notável.”




Não só Oyeyiola instalar um painel solar gigante no topo do Beetle; Ele também inseriu uma turbina eólica sob o capô. Como explica Preston, que permite que o ar flua para a grade, enquanto o carro está em movimento, posteriormente transformando rotores da turbina e carregar a bateria na parte de trás do carro. Oyeyiola também construiu um forte sistema de suspensão para lidar com o peso da própria bateria.

Não é perfeito. A bateria leva de quatro a cinco horas para carregar, mas Oyeyiola diz que está trabalhando nisso. Os maiores desafios, segundo ele, veio de encontrar os melhores materiais a utilizar, e as pessoas dizendo que ele estava perdendo tempo.

Essa última parte não parece que vai parar Oyeyiola, que quer criar carros a energia solar e energia eólica que se aproveitam do clima quente da Nigéria, ensolarado. Quando lhe pergunto o que vai acontecer com o carro depois que ele termina seus últimos finais em 15 de maio, sua resposta é simples e direta: “Manter a melhorar nele, até que se torne carro do futuro da Nigéria.”

O estudante de engenharia da Universidade Obagemi Awolowo, na Nigéria, passou um ano adaptando os materiais doados por amigos e familiares no veículo sustentável. Ele teve esta ideia após se conscientizar mais sobre as emissões de dióxido de carbono, que prejudicam gradualmente o clima, os ecossistemas e a agricultura (o que em um país com carências, como a Nigéria, se torna prejudicial à vida das populações). Sendo assim, seu projeto pessoal visa mudar o mundo e, quem sabe, salvá-lo a longo prazo.




O carro ainda vem com um GPS que ajuda a monitorar seu funcionamento. O projeto é uma ótima solução para o mercado e se encaixa perfeitamente no clima quente de seu país, pois se sustenta com base nos recursos naturais, sendo que a junção de ambas energias, solar e eólica, se complementam; na falta de uma, utiliza-se a outra. O painel solar fica no topo do Fusca, enquanto a turbina eólica fica sob o capô.

Claro que o Fusca de Oyeyiola ainda necessita de alguns ajustes, como por exemplo na bateria, que ainda leva entre quatro e cinco horas para ser carregada e a procura por materiais melhores do que as sucatas. Mas o ambicioso engenheiro pretende chegar lá e, aos poucos, consolidar o modelo como o carro do futuro da Nigéria.


FONTE: Hypeness

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.